A guerra civil na Síria: breve olhar sobre Aleppo a partir de Hannah Arendt

Palavras-chave: guerra civil, dignidade, extermínio, banalidade do mal

Resumo

Este artigo busca olhar a recente Guerra Civil Síria, em especial as situações ocorridas na cidade de Aleppo, em diálogo com a óptica de Hannah Arendt. A partir de literatura especializada, aponta-se para possíveis contribuições do pensamento arendtiano para a reflexão acerca da situação vivenciada pelo povo sírio. O trabalho se organiza em três momentos: 1. Exposição da Guerra Civil Síria em Aleppo; 2. Apresentação e exploração dos conceitos arendtianos que podem lançar luz sobre as situações; e 3. Retorno aos conceitos de Arendt refletidos à luz da Guerra Civil Síria, sobretudo em relação à dignidade humana e ao extermínio. Conclui-se que retomar tais conceitos facilita o enquadramento da reflexão sobre o ser humano como sujeito de direitos devido ao fato de sua existência, razão ignorada pelos que fazem a guerra ao aniquilarem a dignidade, ora transformando os massacres em dados estatísticos, ora ignorando completamente todas as mortes e destruições contínuas.

Biografia do Autor

Moacyr Gomes de Arruda Júnior, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Bacharel em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

João Alberto Mendonça Silva, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), com dissertação voltada para as populações quilombolas do Estado de Mato Grosso do Sul. Graduado em Filosofia pela UCDB. Tem experiência na área de Filosofia, Antropologia das Populações Afro-Brasileiras e no Decrescimento Sereno, com ênfase em Filosofia, Antropologia e Economia.

Josemar de Campos Maciel, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Estágio pós-doutoral concluído (Estudos Culturais, EACH-USP) com o projeto “Hospitalidade e Desenvolvimento: Por uma Pequena Conversação”. Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Minas). Mestre em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB); e em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Gregoriana (PUG), Roma. Graduado em Filosofia pelas Faculdades Unidas Católicas do Mato Grosso (FUCMT); e em Teologia pela PUG. Professor na UCDB, no Mestrado em Desenvolvimento Local, Programa Master em Desenvolvimento Territorial Sustentável (Master STEDE) Erasmus Mundus/Erasmus Plus e Licenciatura em Filosofia.

Referências

ALLEN, Amy. The end of progress: decolonizing the normative foundations of critical theory. New York: Columbia University Press, 2016.

AMNESTY INTERNATIONAL. Death Everywhere – War crimes and human rights abuses in Aleppo, Syria. Amnesty Internacional, maio, 2015. Disponível em: https://www.amnesty.org/en/documents/mde24/1370/2015/en/. Acesso em: 23 abr. 2018.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ARENDT, Hannah. A promessa da política. Rio de Janeiro: DIFEL, 2008.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARISTÓTELES. De Anima. Tradução de Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Ed. 34, 2006.

DOUCET, Lyse. Sírios iniciam a difícil tarefa de reconstruir Aleppo. BBC News, São Paulo, fev. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-42926216#orb-banner. Acesso em: 5 jul. 2018.

CRUZ-NETO, Otávio; MINAYO, Maria Cecília de S. Extermínio: violentação e banalização da vida. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, supl. 1, 199-212, 1994.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

KERSHAW, Ian. De volta ao inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014.

ŽIŽEK, Slavoj. Alguém disse Totalitarismo? Cinco intervenções no (mau) uso de uma noção. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

ONU. Conflito continua a ter consequências desastrosas para povo sírio. ONUBR, jun. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/conflito-continua-a-ter-consequencias-desastrosas-para-povo-sirio-diz-comissao-da-onu/. Acesso em: 10 fev. 2018.

Publicado
2021-03-30