Formação discente na graduação: um despertar para pesquisa e autoria

Palavras-chave: educação, pesquisa científica, estudantes, universidade, Sinop

Resumo

A educação superior é responsável em educar e servir à sociedade, e a orientação encontra-se entre as competências de uma instituição de ensino superior. Perante a obrigatoriedade para executar uma atividade de pesquisa ou extensão, o aluno depara-se com uma realidade − como a necessidade de ler e escrever − para a qual, muitas vezes, não tenha sido estimulado em etapas anteriores de sua educação formal. As atividades inerentes ao trabalho científico viabilizam situações de reflexão sobre o conhecimento acadêmico e sua ampliação em nível de pesquisa. Devido a tal constatação, em atividades de TCC e IC, tanto no Laboratório de Entomologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) quanto em pesquisas interdisciplinares com Língua Portuguesa, os acadêmicos são convidados a exercitarem a habilidade de autoria e de criticidade diante de reflexões e do que se produz. Os acadêmicos aprendem a participar e valorizar eventos científicos e a retextualizar monografia para artigo científico.

Biografia do Autor

Marliton Rocha Barreto, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutor em Entomologia pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Professor e biólogo na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop.

Marieta Prata de Lima Dias, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Professora aposentada de Letras na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop.

Referências

ALVES, T. P. S. Reflexões sobre o trabalho de conclusão de curso nos cursos técnicos do centro de formação de pessoal para os serviços de saúde – Dr. Manoel da Costa Souza – CEFOPE/RN. 2017. 26 f. Monografia (Especialização em Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação na Educação em Saúde Coletiva) – Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2017. Disponível em: https://repositorio.observatoriodocuidado.org/bitstream/handle/handle/1261/tcc_ufrgs_tamara_alves.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 23 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Legislação. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília, DF, 1968. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540.htm. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Graduação – PNG. Brasília, DF: MEC, 2001.

BRASIL. RN–005/1993. Normatiza o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. Brasília, DF: CNPq, 1993. Disponível em: http://memoria.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/80946. Acesso em: 5 out. 2020.

COOKE, P.; MORGAN, K. The associational economy: firms, regions and innovation. London: Oxford University Press, 1998.

CUNHA, M. I. A qualidade e ensino de graduação e o complexo exercício de propor indicadores: é possível obter avanços? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 19, p. 453-62, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772014000200011

DANIEL, J. Tecnologia e Educação: aventuras no eterno triângulo. In: DANIEL, J. Educação e tecnologia num mundo globalizado. Brasília: UNESCO, 2003. Disponível em: http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/getec/article/view/327/262. Acesso em: 5 out. 2020.

DIAS, M. P. L. Iniciação ao sentir-se autor. Revista Eventos Pedagógicos, [s.l], v. 5, p. 9-10, 2014. DOI: https://doi.org/10.30681/2236-3165

FREITAS, T. C. S. A percepção dos discentes sobre as dificuldades na produção do trabalho acadêmico. In: ANPED SUL / Seminário de pesquisa em educação da região Sul, 9., 2012, Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/77/721. Acesso em: 10 set. de 2020.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação coleção magistério 2º grau. 21. ed. São Paulo: Cortez, 1993. p. 109-20. (Série Formação do Professor).

NERVO, A. C. S.; FERREIRA, F. L. A importância da pesquisa como princípio educativo para a formação científica de educandos do ensino superior. Educação em Foco, Belo Horizonte, n. 7, p. 31-40, 2015.

NUNES, J. B. C. Monitoria Acadêmica: espaço de formação. In: SANTOS, M. M.; LINS, N. M. (Org.). A monitoria como espaço de iniciação à docência: possibilidades e trajetórias, Natal, n. 9, p. 45-57, 2007. (Coleção Pedagógica).

PEREIRA, A. A. C.; SILVA, M. L. O. R. O Trabalho de conclusão de curso: constructo epistemológico no currículo formação, valor e importância. In: ENCONTRO INTER-REGIONAL NORTE, NORDESTE E CENTRO-OESTE DE FORMAÇÃO DOCENTE PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR, 3.; FÓRUM DE DIDÁTICA PRÁTICA PEDAGÓGICA (ENFORSUP), 2., 1-3 set. 2011, Salvador. Anais [...]. Salvador: Fundação Visconde de Cairu, 2011. Disponível em: http://fedathi.multimeios.ufc.br/rides/phocadownload/eixo%201%20_1_%20anais.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

PEREIRA, E M. A. A universidade da modernidade nos tempos atuais. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 14, n. 1, p. 29-52, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772009000100003

PINHO, M. J. Ciência e ensino: contribuições da iniciação científica na educação superior. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 22, n. 3, p. 658-75, nov. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1414-40772017000300005

ROBLE, O. J. Reflexões preliminares sobre o trabalho de conclusão de curso

em Educação Física. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 7,

n. 10, p 15-25, 2007. Disponível em: http://www.unipinhal.edu.br/movimentopercepcao/viewarticle.php?id=99 Acesso em:

abr. 2020

ROLIM, C.; SERRA, M. Instituições de ensino superior e desenvolvimento regional: o caso da região Norte do Paraná. Revista de Economia, Curitiba, v. 35, n. 3, p. 87-102, set./dez. 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/re.v35i3.16710

Publicado
2022-04-04
Como Citar
Barreto, M. R., & Prata de Lima Dias, M. (2022). Formação discente na graduação: um despertar para pesquisa e autoria. Multitemas, 26(64), 141-160. https://doi.org/10.20435/multi.v26i64.3235