Perfil dos usuários do Programa Melhor em Casa em um município do centro-oeste do Paraná

Palavras-chave: atendimento domiciliar, Programa Melhor em Casa, usuários, perfil

Resumo

O Programa Melhor em Casa (PMC) é um dos dispositivos de atenção à saúde que visa proporcionar um tratamento humanizado aos usuários em domicílio, mediante a assistência contínua a pacientes com dificuldades ou impossibilidades de locomoção. Este estudo tem por objetivo apresentar o perfil dos usuários PMC em um município de médio porte do centro-oeste do Paraná. Realizou-se um estudo documental, exploratório-descritivo. A coleta de dados foi realizada entre os meses de abril e setembro de 2018. Os resultados apontaram que, no período pesquisado, a maioria dos usuários acompanhados apresentou idade igual ou superior a 60 anos; predomínio do atendimento a usuários do sexo feminino, com doenças crônicas, entre elas, as neoplasias. Como conclusão, percebeu-se que o conhecimento do perfil dos usuários é relevante para a elaboração de planos de ação e estratégias mais específicas à realidade local, visando à melhoria da assistência domiciliar no município.

Biografia do Autor

Lucivaldo José Castellani, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Mestre em Desenvolvimento Comunitário pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Especialista em Saúde Mental pela Faculdade Guairacá, e em Clínica Psicanalítica pela Universidade Estadual de Londrina. Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), em Teologia pela Faculdade Missioneira do Paraná, e em Filosofia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Atua como psicólogo na Secretaria Municipal de Saúde, do município de Guarapuava, PR, e é docente do Colegiado de Psicologia, da UniGuairacá.

Cristiana Magni, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Doutora em Genética pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Distúrbios da Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Especialista em Gestão da Saúde Pública pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Graduada em Fonoaudiologia pela PUC-SP. Professora adjunta C do Departamento de Fonoaudiologia e docente do Mestrado em Desenvolvimento Comunitário da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), no estado do Paraná.

Referências

BISCIONE, Martín Fernando et al. Avaliação de efetividade da atenção domiciliar de uma cooperativa médica de Belo Horizonte. Cadernos de Saúde Pública, Minas Gerais, n. 29, supl. 1, p. 73-80, 2013.

BORBA, André Ricardo Binda de. Avaliação do serviço de atenção domiciliar no âmbito do SUS no município de Maracanaú-CE. 2013. 77 p. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, 2013.

BRAGA, Patricia Pinto et al. Oferta e demanda na Atenção Domiciliar em saúde. Ciência e Saúde Coletiva, [s.l], v. 21, n. 3, p. 903-12, maio/2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro da Comissão Tripartite. Resolução n. 41, de 31 de outubro de 2018. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Nota Técnica n. 1/2018- DAHE/DIVAD/DAHU/SAS/MS, de 4 de junho de 2018. Dispõe sobre o monitoramento dos serviços de atenção domiciliar. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de atenção domiciliar. Brasília, DF: MS, 2013. V. 2.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Gabinete do Ministro. Portaria n. 19, de 3 de janeiro de 2002. Brasília, DF, 2002.

BRAVALHIERI, Anna Alice Vidal; BARBOSA, Suzi Rosa Miziara; ASSIS, Maria de Fátima Bregolato Rubira; PENHA, Ramon Moraes. Características de pacientes com indicação de cuidados paliativos em uma unidade de cuidados prolongados em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Multitemas, Campo Grande, MS, v. 25, n. 59, p. 211-26, jan./abr. 2020.

CARNAUBA, Dâmaso Montenegro Carla et al. Caracterização clínica e epidemiológica dos pacientes em atendimento domiciliar na cidade de Maceió, AL, Brasil. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 353-64, 2017.

CRUZ, Rodrigues Karolline Priscila et al. Dificulties of acess to health services among non-institutionalized older adultas: prevalence and associated factors. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, [s.p.], jan. 2020.

FORNER, Comerlato Fernanda; ALVES, Ferrazza Cassia. Uma revisão de literatura sobre os fatores que contribuem para o envelhecimento ativo na atualidade. Revista Universo Psi, Rio Grande do Sul, v. 1, n. 1, p. 150-74, jul./dez. 2020.

GOYANNA, Natalia Frota. Cuidado de enfermagem domiciliar ao idoso: abordagem à luz do modelo de cuidado transpessoal. 2017. 152 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) –Universidade Federal do Ceará, campus de Sobral, CE, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 12º Censo Demográfico IBGE. Rio de Janeiro: IBGE: 2010.

LIMA-COSTA, Fernanda Maria; BARRETO, Sandhi; GIATTI, Luana. A situação socioeconômica afeta igualmente a saúde dos idosos e adultos jovens no Brasil? Um estudo utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios – PNAD/98. Revista Ciência e Saúde Coletiva, São Paulo, v. 7, n. 4, p. 813-34, out. 2002.

LOPES, Barbosa Reis Daniella et al. Independência funcional e os fatores que influenciam o âmbito de assistência domiciliária ao idoso. Revista Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 285-300, abr./jun. 2019.

MARTELLI, Barbosa Reis Danieli et al. Internação domiciliar: o perfil dos pacientes assistidos pelo Programa HU em Casa. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 147-57, 2011.

MARCUCCI, Iwanotto Cesar Fernando; CABRERA, Sarria Aparecido Marcos. Morte no hospital e no domicílio: influências populacionais e das políticas de saúde em Londrina, Paraná, Brasil (1996 a 2010). Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 833-40, jan. 2015.

MORAES, Nunes Edgar; CARMO, Juliana A.; MACHADO, Carla j.; MORAES, Flávia L. Índice de vulnerabilidade clínico-funcional-20: proposta de classificação e hierarquização entre os idosos identificados como frágeis. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Sorocaba, v. 22, n. 1, p. 31-5, 2020.

MOTA, Turano Rafael, Qualidade de vida de pacientes com câncer de pulmão: uma revisão do escopo. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, [s.l.], v. 22, n. 2, p. 135-47, mar./abr. 2019.

NEVES, Jeronymo Oliveira Carolina Ana et al. Atenção domiciliar: perfil assistencial de serviço vinculado a um hospital de ensino. Physys: Revista Saúde Coletiva, São Paulo, v. 29, n. 2, [s.p.], ago. 2019.

POZZOLI, Sandra Maria Luciano.; CECILIA, Luiz Carlos de Oliveira. Sobre o cuidar e ser cuidado na atenção domiciliar. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 15, p. 116-29, outubro-dezembro/2017.

PROCOPIO, Rodrigues Cláudia Laiane et al. A atenção domiciliar no âmbito do SUS: desafios e potencialidades. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 121, p. 592-604, abr./jun. 2019.

RIZZI, Maurizio et al. A specific home care program improves the survival of patients with chronic obstrctive pulmonar disease receiving long term oxygen therapy. Arch Phys Med Rehabil, [s.l.], v. 90, n. 3, p. 295-401, mar. 2009.

SILVA, Lara Kênia et al. Trajetória política da AD em Minas Gerais. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 23, e-1155, nov. 2019.

SARELA, Antti et al. Service and business model for technology enabled and home-based cardiac rehabilitation programs. ANNUAL CONFERENCIA OF THE INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONIC ENGINEERS (IEEE), novembro de 2009. Anais [...] . [s.l.]: [s.n.], 2009.

SOUZA, Vania et al. Fatores associados a não efetivação da alta na assistência domiciliar. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 36, n. 6, p. 624-31, jul. 2019.

WACHS, Soares Louriele et al. Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, mar. 2016.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
Castellani, L. J., & Magni, C. (2022). Perfil dos usuários do Programa Melhor em Casa em um município do centro-oeste do Paraná. Multitemas, 26(64), 161-176. https://doi.org/10.20435/multi.v26i64.3223