Rota Bioceânica Brasil-Paraguai-Argentina-Chile: desafios pela frente sob a ótica do Desenvolvimento Local

Palavras-chave: Rota Bioceânica, desafios, Desenvolvimento Local, desenvolvimento econômico produtivo, desenvolvimento turístico

Resumo

A presente pesquisa explora os desafios futuros e já presentes de ordem social, ambiental e econômica sob a ótica do Desenvolvimento Local a partir da implantação da Rota Bioceânica, formada por Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. O objetivo recai sobre a análise dos impactos e enfrentamentos em função da abertura de uma rota voltada para o desenvolvimento econômico produtivo (escoamento de grãos) e para o desenvolvimento turístico. A pesquisa realizou-se por meio de levantamento bibliográfico e documental. Os resultados revelam uma dependência política na viabilidade da rota em questão. Em caso de superação dos gargalos que envolvem a dinâmica da construção infraestrutural da rota, há um enorme potencial de integração comercial e turística, para os países do Corredor, ainda que não esteja clara qual atividade terá mais protagonismo, se a logística ou a turística.

Biografia do Autor

Thiago Andrade Asato, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutorando e mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Bolsista CAPES no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local (PPGDL – UCDB). Docente em Turismo e Administração.

Arlinda Cantero Dorsa, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutora em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Vice-coordenadora e docente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local (PPGDL) e docente do Curso de Graduação em Direito, ambos da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

BARBOSA, F. F. O turismo como um fator de desenvolvimento local e/ou regional/Tourism as a local and/or regional development factor. Caminhos de Geografia, [s.l.], v. 6, n. 14, 2005.

BOGGIANI, P. C. et al. Definição de capacidade de carga turística das cavernas do Monumento Natural Gruta do Lago Azul (Bonito, MS). Geosciences = Geociências, [s.l.], v. 26, n. 4, p. 333-48, 2007.

BRASIL. Ministério do Turismo (MTUR). Turismo e sustentabilidade, formação de redes e ação municipal para regionalização do turismo. Brasília: MTUR; Florianópolis: SEAD/UFSC, 2010.

BRITTON, S. G. La economia política del turismo en el tercer mundo. In: ARRONES, Francisco Jurdão. Los mitos del turismo. Madrid: Endymion, 1992. p. 301-19.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Metodologia de planejamento. 4. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CORIOLANO, L. N. Desenvolvimento na escala humana e economia solidária: indícios de mudanças no turismo e na sociedade. João Pessoa: Editora da Universidade Estadual da Paraíba (EDUEPB), [s.l.], 2012.

CUNHA, S. K.; CUNHA; J. C. Competitividade e sustentabilidade de um cluster de turismo: uma proposta de modelo sistêmico de medida de impacto do Turismo no desenvolvimento local. Revista de Administração Contemporânea, [s.l.], v. 9, n. 2, p. 110-24, 2005.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2008.

FRAGA, N. C. (Org.). Territórios e fronteiras – (re) arranjos e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2011.

GARCÍA, M. O. Hacia la construccion del objeto de estudio del turismo desde una perspectiva materialista critica. PASOS: Revista de Turismo e Patrimonio Cultural, [s.l.], v. 3, n. 1, p. 41-61, 2005.

INVAT. TUR. Destino turístico inteligente: manual operativo para la configuracion de Detinos Turisticos Inteligentes. Valencia: Agència Valenciana del Turisme, 2015.

LOPES, A. O. B.; TINÔCO, D. S.; ARAÚJO, R. M. Turismo como vetor de desenvolvimento local: um olhar através das ideias de Theodor Adorno e Max Horkeimer. Revista Turismo em Análise, [s.l.], v. 23, n. 1, p. 104-27, 2012.

LOPES, E. B. M. Desenvolvimento local-territorial e o programa Territórios da Cidadania: Território Integração Norte Pioneiro (PR). 219 f. 2010. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista, Campus de Araraquara, 2010.

MULS, L. M. Desenvolvimento local, espaço e território: o conceito de capital social e a importância da formação de redes entre organismos e instituições locais. Revista Economia, Brasília, v. 9, n. 1, p. 1-21, 2008.

ROCHA, M. B.; ZOUAIN, D. M. Percepção socioambiental: a visão de turistas e gestores de hotéis sobre os impactos da poluição de praias no turismo do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 360-77, maio/ago. 2015.

SALVATIERRA, N. M.; MAR, I. C. Construcción de servicios turísticos a nivel local em Toluca, Estado do México. Revista Rosa dos Ventos, [s.l.], v. 4, n. 2, p. 119-35, 2012.

SOARES, T. C. Características do turismo de experiência: estudos de caso em Belo Horizonte e Sabará sobre inovação e diversidade na valorização dos clientes. 2009. Monografia (Graduação em Turismo) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

SOUZA, M. J. L. Como pode o turismo contribuir para o desenvolvimento local? In: RODRIGUES, A. B. (Org.). Turismo e desenvolvimento local. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2000.

TREVELIN, A. C. Limite de visitação em sítios turísticos. Bonito, MS: 2010. Disponível em: http://www.portalbonito.com.br/colunistas/ana-cristina-trevelin/54/limite-de-visitacao-em-sitiosturisticos. Acesso em: 14 mar. 2020.

VIEGAS, A. Rota de integração deve potencializar turismo entre Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. Portal G1 MS, 6 set. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/rila/noticia/rota-de-integracao-deve-potencializar-turismo-entre-brasil-paraguai-argentina-e-chile.ghtml. Acesso em: 29 mar. 2018.

WEBINAR UCDB. Corredor Rodoviário Bioceânico: impactos e perspectivas. [s.l], WEBINAR UCDB, 1 vídeo. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fOk6kCYmdgA. Acesso em: 15 dez. 2018.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
Asato, T. A., & Dorsa, A. C. (2022). Rota Bioceânica Brasil-Paraguai-Argentina-Chile: desafios pela frente sob a ótica do Desenvolvimento Local. Multitemas, 26(64), 101-122. https://doi.org/10.20435/multi.v26i64.3199