Os idosos na Universidade da Melhor Idade − Universidade Católica Dom Bosco (UMI/UCDB): o que afirmam sobre suas histórias de vida e identidades

Palavras-chave: UMI/UCDB, idoso, identidade, história de vida, envelhecimento

Resumo

O artigo, que resulta de uma pesquisa de mestrado vinculado ao Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais/CNPq no Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado e Doutorado da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), busca verificar como os sujeitos idosos participantes do programa Universidade da Melhor Idade – Universidade Católica Dom Bosco (UMI/UCDB) posicionam suas identidades e histórias de vida. Com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010), verifica-se que o crescimento da população idosa vem ocorrendo de forma significativa, o que proporciona realizar uma escuta atenta e sensível a esse segmento da população. Assim, situado no campo da Educação, o trabalho tem como eixo norteador autores que dialogam com os estudos de cultura e identidade, a fim de mostrar como as narrativas das histórias de vida dos idosos e a forma como posicionaram suas identidades ao longo da vida refletem no processo de envelhecimento

Biografia do Autor

Carlos Magno Naglis Vieira, Universidade Católica Dom Bosco
Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco/UCDB
Aianne Carelli Nasser de Mello, Universidade Católica Dom Bosco

Fisioterapeuta. Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco. Professora de Hidroterapia do
Programa Universidade da Melhor Idade-UCDB. Membro do Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos
Tradicionais.

Referências

ALVES, R. F.; SILVA, R. P.; ERNESTO, M. V.; LIMA, A. G. B.; SOUZA, F. M. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicologia Teoria e Prática. São Paulo, v. 13, n. 3, p. 152-166, dez. 2011.

BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BERLINCK, M. T. Psicopatologia fundamental. São Paulo: Escuta, 2000.

BOARETTO, R. C.; HEIMANN, L. S. Conselhos de representação de idosos e estratégias de participação. In: VON SIMSON, O. R. M.; NERI, A. L.; CACHIONI, M. (Org.). As múltiplas faces da velhice no Brasil. Campinas: Alínea, 2003. (Coleção Velhice e Participação Política).

IBGE. Estimativa de população residente para os municípios 2018. Brasília: IBGE, 2018

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

MALDONADO-TORRES, N. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento: modernidade, império e colonialidade. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 396-443.

MARIN, J. Interculturalidade e descolonização do saber: relações entre saber local e saber universal no contexto da globalização. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo v. 16, n. 1, p. 7-26, jan./jun. 2009.

MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.). Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

MINAYO, M. C. S. Visão antropológica do envelhecimento. In: VELHICES: reflexões contemporâneas. São Paulo: Sesc, 2006. p. 47-60. v. 1.

MOREIRA, V.; NOGUEIRA, F. N. N. Do indesejável ao inevitável: a experiência vivida do estigma de envelhecer na contemporaneidade. São Paulo: Psicologia USP, v. 19, n. 1, p. 59-79, jan./mar. 2008.

NERI, A. L. Atitudes em relação à velhice: questões científicas e políticas. In: FREITAS, E. V.; PY, L.; CANÇADO, F. A. X.; DOLL, J.; GORZONI, M. L. (Ed.). Tratado de geriatria e gerontologia. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 1316-23.

OMS. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 60 p.

PITANGA, D. A. Velhice na cultura contemporânea. 2006. 191 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Centro de Teologia e Ciências Humanas, Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE, 2006.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes.: Novos estudos - Cebrap, São Paulo, n. 79, nov. 2007.

SCHNEIDER, R. H.; IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n.4, p. 585-93, 2008.

SILVA, T. T. Documentos de identidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SOARES, S. S. G. S. Envelhescênciaum fenômeno da modernidade à luz da psicanálise. São Paulo: Escuta, 2012.

WARSCHAUER, C. Rodas e narrativas: caminhos para a autoria de pensamento, para a inclusão e a formação. In: SCOZ, B.; PINTO, S. A. M. (Org.). Psicopedagogia: contribuições para a educação pós-moderna. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 13-23.

WHO/INPEA. Missing Voices: views of older persons on elder abuse. Genebra: WHO, 2002.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-72.

Publicado
2020-10-05