Aplicabilidade do desenho universal em instalações sanitárias

Palavras-chave: integração, acessibilidade, desenho universal

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma breve contextualização histórica das instalações sanitárias, a partir das principais obras que tratam do assunto, com foco na sua evolução, e associá-las à aplicabilidade do desenho universal, demonstrando a importância delas na otimização dos espaços e na inclusão social. A pesquisa de referência bibliográfica foi desenvolvida com base em material publicado em livros, revistas, jornais e redes eletrônicas, para produzir uma análise descritiva sobre o tema proposto, pois se acredita que os projetos de instalações sanitárias hoje já solucionaram questões como higiene, execução e manutenção, materiais de acabamento e revestimento e até mesmo questões energéticas, que, por sua vez, estão sendo cada vez mais exploradas neste ambiente tão dinâmico. Os novos projetos, de maneira geral, tendem a buscar, neste momento, mais versatilidade, integração e respeito à diversidade, estimular e viabilizar a independência, de maneira a construir uma sociedade centrada no indivíduo.

Biografia do Autor

Mariana De Barros Casagranda Akamine, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Mestranda em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Pós-graduada em nível de especialização lato sensu em Design de Interiores pela UCDB, e em Reabilitação Ambiental Sustentável Arquitetônica e Urbanística pela Universidade de Brasília (UnB). Arquiteta e urbanista pela Universidade Anhanguera-Uniderp. Atualmente, tem parceria como arquiteta e urbanista com a empresa Rees Arquitetura e Construção.

Camila Amaro de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutoranda em Tecnologias Ambientais na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Climatologia Urbana. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UnB). Experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Arquitetura Hospitalar, Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura, Conforto Ambiental e Planejamento Urbano.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade à edificação, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2020.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Brasília-DF: MDH, 2018a. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/pessoa-com-deficiencia/normas-abnt-1/associacao-brasileira-de-normas-tecnicas. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Acessibilidade. Brasília-DF: MDH, 2018b. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/pessoa-com-deficiencia/programas/acessibilidade. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF: Senado Federal, 1988.

CAMPOS, Iberê M. Banheiro inclusivo e universal design: projeto arquitetônico com acessibilidade. Bengala Legal, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/banheiro. Acesso em: 20 jun. 2017.

CARLETTO, Ana Claudia; CAMBIAGHI, Silvana. Desenho universal: um conceito para todos. [Realização Mara Gabrilli]. São Paulo: [s.n.], 2008.

KOWALTOWSKI, Doris C. C. K.; BERNARDI, Núbia. Reflexões sobre a aplicação dos conceitos de desenho universal no processo de arquitetura. In: ENCAC - ENCONTRO NACIONAL, 8., ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 4., Maceió, AL, out. 2005. Anais [...]. Maceió: ENCAC, 2005. p.155-63. Vol. 1.

MOTA, Marcos B. Rezende; MANZANARES, Marina Dastre; SILVA, Rafael Augusto Lima. Viabilidade de reutilização de água para vasos sanitários. Revista Ciências do Ambiente On-Line, Campinas, v. 2, n. 2., p. 24-29, ago. 2006. Disponível em: http://cmapspublic2.ihmc.us/rid=1255625139769_626372840_13304/RCA-OL-2006-57.pdf. Acesso em: 17 jun. 2017

MOUTINHO, Stella Rodrigo Octávio; PRADO, Rúbia Braz Bueno; LONDRES, Ruth Rodrigo Octávio. Dicionário de artes decorativas e decoração de interiores. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, desenvolvimento e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

NICHOLL, Anthony Robert Joseph; BOUERI FILHO, José Jorge. O ambiente que promove a inclusão: conceitos de acessibilidade e usabilidade. Assentamentos Humanos, Marília, v. 3, n. 2, p. 1-80, dez. 2001. Disponível em: http://www.unimar.br/publicacoes/assentamentos/assent_humano3v2/Antony%20e%20jose.htm. Acesso em: 17 jun. 2017.

VERÍSSIMO, Francisco Salvado; BITTAR, William Seba Mallmann. 500 anos da casa no Brasil: as transformações da arquitetura e da utilização do espaço da moradia. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações S. A., 1999.

YNGAUNIS, Sueli. Exclusão, segregação, reabilitação e inclusão: como as organizações podem construir uma nova história? Blog Comunicação Essencial, set. 2012. Disponível em: https://syngaunis.wordpress.com/2012/09/02/exclusao-segregacao-reabilitacao-e-inclusao-como-as-organizacoes-podem-construir-uma-nova-historia/. Acesso em: 20 jun. 2017.

ZABALBEASCOA, Anatxu. Tudo sobre a casa. São Paulo, 2013.

Publicado
2021-03-30