Análise do desempenho econômico da região Centro-Oeste, Brasil, de 2002 a 2015

Palavras-chave: Desigualdade, Indicadores, Economia, Abertura comercial

Resumo

O processo de desenvolvimento econômico proporciona externalidades de formas distintas, dependendo da composição produtiva de cada território; nesse contexto, as diferenças regionais podem resultar em maior ou menor crescimento econômico. O presente artigo investigou o desempenho da região Centro-Oeste entre 2002-2015 e o comparou com a média nacional, utilizando análise quantitativa. Os indicadores utilizados para a análise foram o PIB, Gini, Exportação, Importação e Grau de Abertura Comercial (GAC). Os resultados mostraram que, no Gini, os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, MS, foram acima da média nacional, e Goiás, GO, abaixo. A variável PIB seguiu a média nacional, enquanto as exportações apresentaram nível acima da média, e, nas importações, apenas MS foi superior. O GAC de GO e MS foi acima da média nacional, e o de MT, abaixo. Conforme a literatura, a presente pesquisa confirma que o Centro-Oeste continua acima da média nacional.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Cantero Dorsa, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Mestrando em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), 2017. Pós-Graduação Lato Sensu MBA Executivo em Gestão Empresarial pela UCDB, 2012. Tem graduação em Administração Pública pela UCDB, 2009.

Michel Constantino, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutor em Economia pela Universidade Católica de Brasília (UCB), mestre em Desenvolvimento Local pela UCDB e administrador. Professor nos Programas de Doutorado em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária e em Desenvolvimento Local. Pesquisador da área de Políticas Públicas Agroambientais, Economia Comportamental, Economia Regional e Econometria (Métodos Quantitativos). Pesquisador visitante do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), Brasília, DF. Vice-coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local. Editor associado da Economic Analysis of Law Review

Referências

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial: combate à pobreza 2000/2001. Washington, D.C.: Banco Mundial, 2001. Disponível em: https://documents.worldbank.org/pt/publication/documents-reports/documentdetail/927161468164645652/relatorio-sobre-o-desenvolvimento-mundial-2000-2001-luta-contra-a-pobreza. Acesso em: 13 set. 2019.

BARROS, A. R. Desigualdades regionais no Brasil: natureza, causas, origens e soluções. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

CACCIAMALI, M. C.; CAMILLO, V. S.. Redução da desigualdade da distribuição de renda entre 2001 e 2006 nas macrorregiões brasileiras: tendência ou fenômeno transitório. A construção da igualdade de gênero e raça na América Latina do século XXI: o caso do Brasil. São Carlos: Suprema, 2008.

CANUTO, O.; FLEISCHHAKER, C.; SCHELLEKENS, P. O curioso caso da falta de abertura do Brasil ao comércio. Revista Brasileira de Comércio Exterior, n. 122, p. 20-25, 2015.

CASS, D. Studies in the Theory of Optimum Economic Growth. Tese (Doutorado em Economia) − Stanford University, 1965.

CAVALCANTE, L. R.; DE NEGRI, F. Produtividade no Brasil: uma análise do período recente. Texto para Discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2014.

CONSTANTINO, M.; PEGORARE, A. B.; COSTA, R. B. Desempenho regional do IDH e do PIB per capita dos municípios de Mato Grosso do Sul, Brasil, entre 2000 e 2010. Interações, Campo Grande, MS, v. 17, n. 2, p. 234-46, abr./jun. 2016.

CORRÊA, A. M. C. J.; DE FIGUEIREDO, N. M. S. Riqueza, desigualdade e pobreza: um perfil da Região Centro-Oeste no início do séc. XXI. Pesquisa & Debate, v. 17, n. 1 (29), 2006.

DINIZ, B. P. C. O grande cerrado do Brasil central: geopolítica e economia. 2006. 231f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade de São Paulo,

São Paulo, SP, 2006.

GRASEL, D.; VIEIRA, E. A.; MENDES, M. P.; BERCHIELI, R. Desigualdade, pobreza e crescimento: uma análise comparativa entre Mato Grosso e Santa Catarina. Textos de Economia, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 54-78, 2008.

FAGUNDES, M. B. B. (Coord.). Relatório de pesquisa: elaboração da TRU (Tabela de Recursos e Usos) e construção da matriz insumo-produto 2008. Campo Grande: UFMS, jan. 2013.

GUILHOTO, J.; ICHIHARA, S. M.; SILVEIRA, F. G.; DINIZ, B. P. C.; AZZONI, C. R.; MOREIRA, G. R. C. A importância da agricultura familiar no Brasil e em seus estados (Family agriculture’s gdp in Brazil and in it's states). In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS, 5., 2007, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Anpec, 2007.

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA. Desafios do Desenvolvimento, Brasília-DF, ano 1, 2004.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Entendendo o Índice de Gini. Fortaleza: Governo do Estado do Ceará/Ipece, 2010.

ROSSI JUNIOR, J. L.z; FERREIRA, P. C. Evolução da produtividade industrial brasileira e abertura comercial. Rio de Janeiro: Ipea, 1999.

KAWAMOTO, C. T.; SANTANA, B. L.; FONSECA, H. Elasticidade renda e elasticidade preço das exportações e das importações de produtos industrializados no Brasil (2003-2010): uma avaliação utilizando dados em painel. Revista de Economia, v. 39, n. 2 (ano 37), p. 139-59, maio/ago. 2013.

KOOPMANS, T. C. On the concept of optimal economic growth. In: Study Week on the Econometric Approach to Development Planning. Rome: Pontifical Academy of Science, 1965.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia internacional: teoria e política. 8. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2010.

MAGALHÃES, J. C. R.; BOUERI, R. M. Dinâmica da renda per capita, longevidade e educação nos municípios brasileiros. Estudos econômicos, v. 39, n. 3, p. 539-69, 2009.

MANKIW, N. Gregory. Introdução à economia, princípios de micro e macroeconomia. Editora Campos, 2005.

MARQUES, A. M. Crescimento econômico e grau de desigualdade no Rio Grande do Sul: uma lição a partir dos anos noventa. Estudos do Cepe, n. 30, p. 6-29, 2009.

NEDER, H. D. Análise de indicadores sociais utilizando o Stata, Instituto de Economia, 2013. Disponível em: http://www.ecn26.ie.ufu.br/TEXTOS_ESTATISTICA/ANALISE_POLITICAS_SOCIAIS.pdf. Acesso em: 13 set. 2019.

RAMSEY, F. P. A. Mathematical theory of saving. The Economic Journal, n. 38, p. 543-59, 1928.

RESENDE, G. M.; MAGALHÃES, J. C. R. Disparidades do produto interno bruto (PIB) per capita no Brasil: uma análise de convergência em diferentes escalas regionais (1970-2008). Repositório do Conhecimento do Ipea, Brasília, 2013. [Texto para discussão, 1833].

SANTOS, A. M.; SOUSA, E. A.; TEJADA, C. A.; JACINTO, P. A. Elasticidades preço e renda das exportações e importações: uma abordagem através de dados de painel para os estados do Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS (ENABER), 7., 2009.

SILVA, A. C.; LIMA, E. P. C.; BATISTA, H. R. A importância da soja para o agronegócio brasileiro: uma análise sob o enfoque da produção, emprego e exportação. Criciúma: Apec, 2012.

SOLOW, R. M. A contribution to the theory of economic growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 70, n. 1, p. 65-94, 1956.

SHANKAR, R.; SHAH, A. Bridging the economic divide within countries: A scorecard on the performance of regional policies in reducing regional income disparities. World development, v. 31, n. 8, p. 1421-41, 2003.

SWAN, T. Economic growth and capital accumulation. Economic Record, v. 32, n. 2, p. 34-361, nov. 1956.

THE HERITAGE FOUNDATION. Washington DC, 2020. Disponível em: https://www.heritage.org/. Acesso em: 13 set. 2019.

TREMEA, N. J. C. As exportações e o produto interno bruto do Brasil no período de 2000 a 2009. Revista ADM Gestão Estratégica, v. 4, n. 1, 2011.

Publicado
2020-10-05