Atividade comunitária, estima de lugar e conscientização: uma análise da participação social do movimento Resistência Vila Vicentina

Palavras-chave: participação;, estima de lugar;, atividade comunitária;, conscientização;

Resumo

Analisa-se a relação entre a participação em atividades comunitárias, o Índice de Estima de Lugar e o processo de conscientização de moradores de uma comunidade ameaçada de desapropriação em Fortaleza, Ceará. Trata-se de um estudo misto, realizado com 17 moradores da comunidade Vila Vicentina (Fortaleza, Ceará), que responderam à Escala de Estima de Lugar e participaram, individualmente, de uma entrevista semiestruturada. Dentre os resultados, observa-se a organização de atividades de I) resgate, preservação e construção histórica da comunidade; II) recreação; III) discussão e mobilização; e IV) diálogo com representações da sociedade civil e jurídica. A participação ativa repercutiu em I) uma maior estima potencializadora; II) mais engajamento na própria luta e nas de outras comunidades; e, consequentemente, III) maior abertura no processo de conscientização.

Biografia do Autor

Fábio Pinheiro Pacheco, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal do Ceará. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Psicólogo pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Zulmira Aurea Cruz Bomfim, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Pós-doutora pela Universidade da Coruña, Espanha. Doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Mestre em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB). Professora titular do Programa de Pós-Graduação de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

ARAÚJO, Amanda. Casas de vila na Aldeota são demolidas e moradores protestam. O Povo, Fortaleza, 28 out. 2016. Disponível em: http://www.opovo.com.br/noticias/fortaleza/2016/10/casas-de-vila-na-aldeota-sao-demolidas-moradores-protestam.html. Acesso em: 14 set. 2017.

BOMFIM, Zulmira. Cidade e afetividade: estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e São Paulo. Fortaleza: UFC Edições, 2010.

BOMFIM, Zulmira et al. Affective maps: validating a dialogue between qualitative and quantitative methods. In: GARCIA-MIRA, Ricardo; DUMITRU, Adina (Ed.). Urban Sustainability: innovative spaces, vulnerabilities and opportunities. A Coruña, ESP: Deputación da Coruña & Instituto de Investigación Xoan Vicente Viqueira, 2014. p.131-48.

BOMFIM, Zulmira; DELABRIDA, Zenith; FERREIRA, Karla Emoções e afetividade ambiental. In: CAVALCANTE, Sylvia; ELALI, Gleice (Org.). Psicologia Ambiental: conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018. p. 60-74.

CABRAL, Daniel. Relação afetiva pessoa-ambiente na Praia do Canto Verde: processo de participação comunitária. 2015. 236 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2015.

CÉSAR, João Batista Martins. A audiência pública como instrumento de efetivação dos direitos sociais. Revista do Curso de Mestrado em Direito – RVMD, Brasília, v. 5, n. 2, p. 356-84, jul./dez. 2011.

DUARTE JR., Romeu. Contribuição técnica ao tombamento municipal da Vila Vicentina da Estância, em Fortaleza-CE. Fortaleza: [s.n.], 2017. 57 p.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Moraes, 1980.

FREITAS, Clarissa; PEQUENO, Luís Renato. Produção habitacional na Região Metropolitana de Fortaleza da década de 2000: avanços e retrocessos. Estudos Urbanos e Regionais, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 45-59, abr. 2015.

GÓIS, Cézar Wagner de Lima. Psicologia Comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais, 2005.

GONDIM, Linda; ROHA, Aline. Repertórios de confronto em movimentos sociais urbanos: os casos da Resistência Vila Vicentina e do Quem Dera Ser um Peixe, em Fortaleza-CE, Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 50, p. 365-407, 2019.

INSTITUTO DE PLANEJAMENTO DE FORTALEZA [IPLANFOR]. Diagnóstico Socioeconômico, histórico-cultural, arquitetônico e fundiário (ZEIS Dionísio Torres). Fortaleza: IPLANFOR, 2020.

MEDEIROS, Aline. Mais de 1.440 famílias removidas em Fortaleza só este ano. Laboratório de Estudos da Habitação – UFC. Fortaleza, 8 dez. 2017. Disponível em: http://www.lehab.ufc.br/wordpress/?p=646. Acesso em: 18 maio 2018.

MARICATO, Ermínia. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO, Ermínia et al. Cidades Rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2013. p. 32-46.

MARICATO, Ermínia. Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

MARTÍN-BARÓ, Ignácio. Desafios e perspectivas da Psicologia Latino-Americana. In: GUZZO, Raquel.; LACERDA JR., Fernando. Psicologia Social para América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação. Campinas, SP: Alínea, 2011. p. 199-220.

GARCIA-MIRA, Ricardo. Aportación de la psicología ambiental. In: GARCIA-MIRA, Ricardo. La ciudad percibida: una psicología ambiental de los barrios de A Coruña. Universidad da Coruña, 1997. p. 25-36.

MONTERO, Maritza. Introducción a la Psicología Comunitaria: desarrollo, conceptos y procesos. Paidos: Buenos Aires, 2004.

NÓBREGA, Lana; ELIAS, Terezinha; FERREIRA, Karla. Conscientização. In: CAVALCANTE, Sylvia; ELALI, Gleice (Org.). Psicologia Ambiental: conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018. p. 26-35.

ROCHA, Aline. Direito à cidade, patrimônio e redes de mobilização: o caso do movimento Resistência Vila Vicentina, em Fortaleza-CE. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA – SIMPURB, 15., 20 a 23 nov. 2017, Salvador, BA. Anais [...]. Salvador: UFBA, 2017.

SAWAIA, Bader Burihan. Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 364-72, dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 8 jul. 2020.

VIEIRA, Emanuel; XIMENES, Verônica. Conscientização: em que interessa este conceito à Psicologia? Psicologia Argumento, Curitiba, v. 26, n. 52, p. 23-33, 2008.

VYGOTSKY, Lev. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

XIMENES, Veronica Morais; MOURA JR., James Ferreira. Psicologia Comunitária e Comunidades Rurais do Ceará: caminhos, práticas e vivências em extensão universitária. In: LEITE, Jader Ferreira; DIMENSTEIN, Magda (Org.). Psicologia e contextos rurais. Natal: EDUFRN, 2013.

Publicado
2022-04-28
Como Citar
Pacheco, F. P., & Bomfim, Z. A. C. (2022). Atividade comunitária, estima de lugar e conscientização: uma análise da participação social do movimento Resistência Vila Vicentina. Interações (Campo Grande), 23(1), 247-261. https://doi.org/10.20435/inter.v23i1.3120
Seção
Teoria e Prática